Sem título-4

SEGURANÇA PÚBLICA

–   Criar e aprovar projetos de leis que contribuam para a captação de investimentos em projetos e programas que favoreçam o bem estar dos policiais e profissionais da Segurança Pública, visando à melhoria da qualidade de serviço e maior motivação da classe que tanto foi desprestigiada nos últimos anos.  Aprovar a exclusão do Excesso Culposo da legislação, para que, em combate, o policial possa defender o cidadão sem medo de retaliação.

Segurança Pública

–   Captar investimentos para os serviços de inteligência das polícias para que se possa prevenir as ações de criminalidade e antecipar ações de combate.

–   Desenvolver programas/campanhas educativas permanentes antidrogas dentro das escolas, desde o Ensino Fundamental até o Ensino Médio.

–   Adequar a sistemática penal visando o fim da impunidade, com a redução da maioridade penal de 18 para 16 anos. A partir dos 16 anos o jovem vota se quiser; seu testemunho é aceito em juízo e pode ser emancipado, inclusive sem consentimento dos pais, se tiver economia própria. O Direito brasileiro reconhece, assim, que, a partir dos 16 anos o individuo tem condições de assumir a responsabilidade pelos seus atos.

 

EDUCAÇÃO

–   Lutar pela inserção de conteúdos sobre Segurança Pública e Saúde nas escolas, desde o Ensino Fundamental até o Ensino Médio.

–   Criar Projetos e Programas que valorizem o professor, com objetivo de tornar reconhecida sua figura como autoridade dentro e fora da sala de aula. Torna-lo, acima de tudo, respeitado pelos governantes e pela comunidade escolar.

Educacao

–   Reinserir as disciplinas de Estudo Moral e Cívica e OSPB (Organização Social e Política Brasileira) nas escolas, fortalecendo a cidadania, os valores morais e patrióticos desde o Ensino Fundamental. Os alunos devem   aprender sobre a Constituição Brasileira, o que é um Estado, um município, os poderes federais, o que são os órgãos públicos, a função do vereador, do Deputado, do Senador etc. Desenvolveriam, assim, o sentimento de unidade nacional e de solidariedade humana, com aprimoramento do caráter, da moral, de dedicação à família e à comunidade, visando ao bem comum.

 

SAÚDE

Saúde

–   Trabalhar pelo cumprimento das leis específicas da saúde que já estão em vigor,

  principalmente aquelas que priorizam o Sistema Único de Saúde (SUS) que é o melhor plano do mundo, mas falha na ineficiência de sua gestão.

–   Desenvolver política de valorização dos profissionais de saúde e melhoria de infraestrutura, dado que o sucateamento de equipamentos e instalações (comuns a quase todos os órgãos públicos no país) com desvios de verbas e subfinanciamento desestimulam a categoria.

DESEMPREGO

–   Apoiar a redução da carga tributária que inibe a abertura de novas empresas no país e causa desânimo ao empreendedor.

–   Apoiar a criação e implantação de um imposto único para dar fim à burocracia tributária.

–   Buscar a implantação de mais empresas que agreguem tecnologia ao aço produzido no Estado de Minas Gerais.

FAMÍLIA E VALORES

–   Contrária a legalização do aborto, Alê Silva defende a criação de mais programas de controle da natalidade e planejamento familiar, além do projeto de amparo a mulher desde a adolescência até a idade adulta.

   Criar mecanismo para desburocratizar o processo de adoção, principalmente das crianças maiores. Hoje, um pedido pode levar anos para ser aprovado, o que desestimula quem deseja adotar uma criança.

 

FIM DA CORRUPÇÃO

–   Lutar pelo prosseguimento da aprovação em seu texto original do Projeto de Lei de iniciativa popular chamado DAS DEZ MEDIDAS ANTICORRUPÇÃO, além de outras visando o efetivo combate a corrupção no nosso país.

   Apoiar firmemente a manutenção da Operação Lava Jato.

   Lutar pelo fim do foro privilegiado e a extinção da indicação de ministros e desembargadores no judiciário.

 

FISCALIZAÇÃO DE GASTOS PÚBLICOS

–   Criar mecanismos para o controle dos gastos dos governos com efetiva fiscalização das contas públicas.

Justiça

   Aprimorar os portais de transparências dos poderes públicos em parceria com os Ministérios Públicos Estaduais e Federais, visando ajudar o povo fiscalizar as contas dos governantes.

   Muitos políticos estão no Congresso Nacional apenas pelas várias mordomias que recebem. O site de notícias ‘Congresso em Foco’, em pesquisa recente mostra que que os deputados federais custam em média, R$ 86 milhões por mês, quase R$ 1 bilhão ao ano, dinheiro que sai dos impostos pagos pela população brasileira.

   Trabalhar para a criação de comissões de fiscalização de contas públicas.

 

EQUILÍBRIO DAS CONTAS PÚBLICAS

   Em apoio ao fim dos privilégios e mordomias dos políticos. Como uma mulher honesta e transparente, Alê Silva sempre cumpre o que fala e já deu o exemplo nesta semana. Ela registrou no Cartório de Notas de Ipatinga uma Escritura Pública de Compromisso, renunciando todos os privilégios políticos, tão logo assuma uma cadeira como Deputada Federal. Para Alê Silva política é coisa séria e dinheiro público também. Ela acredita que todos os políticos deveriam fazer o mesmo e pretende criar um projeto neste sentido e lutar diuturnamente para que seja aprovado.

Lutar pela extinção de empresas estatais e redução de autarquias. Essas empresas são constituídas por capital público, cujo dinheiro vem dos impostos pagos pelo cidadão. Ocorre que, quando elas têm lucro, nada vemos. Porém, quando acumulam prejuízos todos nós somos obrigados a pagar por eles, o que é totalmente injusto para a coletividade.

  Trabalhar pela redução do Custo Brasil lutando pela revogação de  leis  inúteis  que somente servem para onerar o Judiciário e o cidadão,  pois impedem a solução rápida dos processos que acabam por se arrastar por anos e anos a fio.